*** Tudo o que fizermos, para o bem ou mal, a nós retornará triplicadamente e nesta encarnação. ***

A Befana

sábado, 15 de dezembro de 2012


No Folclore italiano, quem leva os presentes às crianças não é o papai noel é a Befana, uma simpática bruxa que no dia 6 de Janeiro, feriado nacional, deixa presentes às crianças que se portaram bem.

 
 
A festa da Befana pode derivar de antigos elementos folclóricos pré-cristãos, adotados e adaptados pela tradição cristã.

A origem desta figura provavelmente se pode vincular com tradições agrárias pagãs relacionadas com o começo do ano.

A Deusa Befana é uma Deusa Mãe Anciã que é celebrada na Décima Segunda Noite dos “Doze Dias Sagrados” – intervalo entre as celebrações antigas do solstício de Inverno (Sabbat Celta Yule) e a Epifania. Nesse intervalo, as Mães antigas ensinavam à humanidade os segredos da agricultura e das artes domésticas: fiar, tecer, bordar, cuidar e educar as crianças, manter vivas as tradições ancestrais e os antigos ritos sagrados.


Elas recebiam oferendas de pão, mel, leite e tranças de pão para substituir as oferendas feitas pelas mulheres com seu próprio cabelo, do qual se guardava uma parte para ser usada em curas ao longo do ano, sempre que necessário.

A deusa italiana e etrusca Befana era chamada de Marantega (Mãe antiga) e era celebrada no final dos Doze Dias, data que corresponde à atual festa cristã da Epifania. Na Sicília, sua memória permanece na figura e nos costumes de La Strega ou La Vecchia (bruxa, velha), a Anciã de outrora…

(O cristianismo fez uso de seus muitos artifícios maniqueístas que sempre envolvem: bem x mal x obediência x desobediência, punição ou recompensa… Befana originalmente é uma Deusa do Inverno, da Magia, da Noite, da Lua Minguante, da Sabedoria, do Destino…)

A Befana é uma típica figura do folclore italiano. Seu nome deriva da palavra epifania, a cuja festividade religiosa está unida a figura da Befana. Pertence, portanto às figuras folclóricas, repartidoras de presentes, vinculadas às festividades natalinas.

As crianças italianas escrevem cartas para a Befana e é comum deixarem meias e saquinhos pendurados para receber chocolates, caramelos e brinquedos. Conta à lenda que a Befana visita as crianças na véspera da epifania (6 de janeiro) para encher as meias, se foram bons com caramelos e chocolates, mas se tiverem sido maus os enche de carvão (formado na realidade por doces de cor e forma parecida ao carvão). Freqüentemente a Befana é descrita como uma anciã, que voa sobre uma vassoura. É uma bruxa que costuma estar contente e tem uma bolsa ou um saco cheio de doces, presentes, mas também de carvão.

Em algumas regiões da Itália, as pessoas se vestem como a Befana com chapéu, saia, capa, óculos e junto com os seguidores passam pelas casas que tem uma bonequinha com a imagem da Befana nas janelas que é uma espécie de sinal de que a Befana e os seguidores são bem vindos a aquela casa.

Depois do final da celebração da Befana, as bonecas são queimadas como forma de simbolizar que as coisas ruins que aconteceram no ano anterior devem ser esquecidas e que no ano seguinte coisas boas vão acontecer.
 
A distribuição de presentes as crianças em nome da Befana foi fortemente animada pelo Fascismo, no âmbito da obra de "romanização" da península italiana.

Uma pequena cantiga popular sobre a Befana:


La Befana vien di notte
con le scarpe tutte rotte
col cappello alla romana...
VIVA VIVA LA BEFANA!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Peço perdão àqueles que possa ter omitido os créditos e peço que, por favor, avise para que possa ser creditado.
Cidade de Vênus © 2013